top of page
  • Foto do escritorDra. Danielly Andrade

Etmoidectomia: Procedimento Endoscópio nos Seios Etmoidais

A etmoidectomia é um procedimento cirúrgico para tratar rinossinusite crônica, polipose nasal e outras condições que afetam os seios etmoidais, especialmente quando essas condições não respondem à terapia médica. Este procedimento envolve a remoção de tecido infectado e osso nos seios etmoidais que bloqueiam a drenagem natural.


Durante a cirurgia, o cirurgião usa um endoscópio—um tubo fino e flexível equipado com uma pequena câmera e luz—para visualizar e operar nos seios etmoidais. A abordagem endoscópica, frequentemente chamada de cirurgia endoscópica dos seios da face, permite uma remoção mais precisa e menos invasiva das células aéreas etmoidais, limitando cicatrizes e melhorando os resultados cirúrgicos​​.



 

Indicações para Etmoidectomia


A etmoidectomia é indicada para várias condições, particularmente quando a terapia médica não proporciona alívio. As indicações comuns incluem:


  1. Rinossinusite Crônica: Pacientes com rinossinusite crônica que não responderam a um curso de 4-6 semanas de antibióticos orais, esteroides nasais e outros tratamentos são candidatos para etmoidectomia. Sintomas persistentes e anomalias crônicas em tomografias computadorizadas frequentemente confirmam a necessidade de cirurgia​​.

  2. Polipose Nasal: Este procedimento é frequentemente indicado para pacientes com polipose nasal que causa obstrução nasal significativa, anosmia ou infecções recorrentes, especialmente quando o manejo médico é ineficaz​​.

  3. Rinossinusite Aguda Recorrente: Múltiplos episódios de rinossinusite aguda que impactam significativamente a qualidade de vida e não responderam ao tratamento médico podem necessitar de etmoidectomia​​.

  4. Mucoceles Sinonasal: A etmoidectomia é utilizada para drenar e remover mucoceles, que podem causar sintomas significativos e complicações se não tratadas​​.

  5. Sinusite Fúngica Não Invasiva e Bola Fúngica: Essas condições frequentemente requerem intervenção cirúrgica quando a terapia médica falha, sendo a etmoidectomia eficaz na remoção de elementos fúngicos.

Referências

Sinusectomia maxilar
 

Procedimento de Etmoidectomia


A etmoidectomia pode ser classificada em parcial ou total, dependendo da extensão da doença e da quantidade de tecido que precisa ser removida. Em relação a extensão, pode ser classificada como unilateral ou bilateral se o procedimento realizada em apenas um dos lados ou ambos os lados. Pode ser combinada com outras cirurgias dos seios, como antrostomia maxilar, esfenoidotomia e sinusectomia frontal, para tratar doenças dos seios mais extensas. As etapas do procedimento são as seguintes​​:


  1. Anestesia e Posicionamento: O paciente é colocado sob anestesia geral com a cabeça posicionada para acesso ideal à cavidade nasal.

  2. Preparação Nasal: Vasoconstritores tópicos e anestésico local são aplicados para reduzir o sangramento e proporcionar analgesia.

  3. Incisão Inicial e Acesso: É feita uma incisão na parede nasal lateral para acessar os seios etmoidais, frequentemente usando um microdebridador ou instrumentos endoscópicos.

  4. Uncinectomia: Remoção do processo unciforme para expor a bula etmoidal.

  5. Remoção da Bula Etmoidal: Remoção da bula etmoidal para acessar as células etmoidais posteriores.

  6. Etmoidectomia Anterior: Remoção das células etmoidais anteriores, evitando danos à lamina papirácea e à base do crânio.

  7. Etmoidectomia Posterior: Remoção das células etmoidais posteriores, requerendo dissecação cuidadosa para prevenir vazamentos de líquido cerebroespinhal ou lesão orbital.

  8. Hemostasia: Controle do sangramento usando cauterização ou agentes hemostáticos.

  9. Inspeção e Ajustes Finais: Inspeção do local cirúrgico para detectar doença residual ou sangramento e confirmação da patência dos óstios dos seios.

  10. Cuidados Pós-Operatórios: Pode ser utilizado tampão nasal para controlar o sangramento, com monitoramento pós-operatório de complicações e cuidados de acompanhamento, incluindo irrigação nasal e possivelmente esteroides tópicos para promover a cicatrização e prevenir recorrência​​.

Etmoidectomia Intranasal
Imagem transmitida pelo Endoscópio
sinusectomia maxilar
Sinusectomia maxilar
 

Riscos e Complicações da Etmoidectomia


A etmoidectomia, como outros procedimentos de cirurgia endoscópica dos seios da face, apresenta riscos e complicações potenciais, variando de menores a graves:


  1. Hemorragia: O sangramento pós-operatório é a complicação mais frequente, representando de 23% a 39% das complicações da cirurgia endoscópica dos seios da face.

  2. Complicações Orbitárias: Devido à proximidade com a órbita, complicações como hematoma orbitário, enfisema orbitário e até cegueira podem ocorrer​​.

  3. Vazamento de Líquido Cerebroespinhal: Uma complicação grave decorrente de uma violação da base do crânio, ocorrendo em 0,3% a 1,7% dos casos, podendo levar à meningite se não for devidamente manejada​​.

  4. Complicações Intracranianas: Incluem hemorragia subaracnoidea, lesão do lobo frontal e pneumoencéfalo, embora raras​​.

  5. Infecção: Infecções pós-operatórias, como sinusite e meningite, especialmente se houver vazamento de líquido cerebroespinhal.

  6. Anosmia: Perda de olfato devido a danos ao epitélio olfativo, mais comum em etmoidectomias extensas​​.

  7. Adesões e Cicatrizes: Adesões pós-operatórias podem se formar, levando a rinossinusite recorrente e possível necessidade de cirurgia de revisão​​.

Referências

 

Recuperação e Cuidados Pós-Operatórios da Etmoidectomia


Os cuidados pós-operatórios após a etmoidectomia são cruciais para otimizar os resultados e minimizar as complicações. As recomendações incluem:


  1. Lavagem Nasal: Irrigação nasal regular com solução salina para limpar muco e detritos, reduzir a formação de crostas e promover a cicatrização​​.

  2. Corticosteroides Tópicos: Para reduzir a inflamação e prevenir a recorrência de pólipos, especialmente em pacientes com rinossinusite crônica com polipose nasal.

  3. Antibióticos: Prescritos com base nos achados intraoperatórios e na presença de infecção​​.

  4. Controle da Dor: Gerenciamento eficaz da dor usando analgésicos não opioides, com mínima prescrição de opioides​​.

  5. Desbridamento Nasal: Desbridamento para remover crostas e promover a cicatrização, dependendo da extensão da cirurgia e da gravidade da inflamação pós-operatória​​.

  6. Acompanhamento: Visitas regulares de acompanhamento para monitorar a cicatrização, gerenciar complicações e ajustar o tratamento conforme necessário​​.

 

Conclusão


A etmoidectomia é uma intervenção cirúrgica bem estabelecida para rinossinusite crônica, polipose nasal e outras condições sinonasais. O procedimento oferece benefícios substanciais, incluindo alívio dos sintomas e melhoria da qualidade de vida, particularmente quando a terapia médica falha.

 

Dra. Danielly Andrade


Médica otorrinolaringologista em Belo Horizonte, formada pela UFMG em 2008, título de Especialista em Otorrinolaringologia pela ABORL / AMB.

Especialista em rinologia funcional, área da otorrinolaringologia que estuda e trata os distúrbios do nariz e dos seios da face, desvio de septo, sinusites, hipertrofia de cornetos e pólipos nasais.


Especialista em cirurgia endoscópica do nariz.

​​

Médica do corpo cirúrgico do hospital Mater Dei.


Preceptora de residência médica em otorrinolaringologia na área de Rinologia Funcional.

Comentários


bottom of page