top of page

Entendendo a Tomografia de Sinusite: O que Revela a Imagem?

Entendendo a Tomografia de Sinusite: O que Revela a Imagem?

A tomografia dos seios da face é solicitada quando há suspeita de alterações não detectáveis em exames convencionais. É usada para diagnosticar sinusite, identificando inflamações, espessamento da mucosa e obstruções. Também detecta câncer e outras anomalias estruturais como desvio de septo, hipertrofia de cornetos, e pólipos nasais, fornecendo imagens detalhadas para um diagnóstico preciso.


A tomografia dos seios da face é o melhor exame para diagnosticar sinusite, devido à sua capacidade de demonstrar e diferenciar estruturas ósseas, tecidos moles e ar, permitindo uma avaliação detalhada da anatomia e de variações anatômicas, bem como da presença e extensão de lesões.

 

Utilização da Tomografia dos seios da face no planejamento cirúrgico de sinusite


A tomografia é particularmente útil no planejamento cirúrgico da sinusectomia, com técnicas de reconstrução em 3D é possível ter uma visão detalhada das estruturas para definir previamente a melhor estratégia cirúrgica, bem como pode ser utilizando também na cirurgia cirurgia endoscópica para sinusite assistida por navegação


 

Como a imagem da tomografia reflete a presença de sinusite


A sinusite é uma condição inflamatória caracterizada por alterações na superfície mucosa e na atividade ciliar dos seios paranasais, o que pode ser visualizado através da tomografia. Os achados tomográficos mais comuns incluem o velamento total ou parcial de um ou mais seios paranasais, indicando opacificação ou preenchimento por secreções, e a hipertrofia da mucosa de revestimento.


A TC também pode identificar obstruções nos complexos óstio-meatais, que estão relacionados à gênese da sinusite, e variações anatômicas que podem comprometer a ventilação e drenagem dos seios paranasais.


A avaliação por TC é fundamental no planejamento de cirurgias endoscópicas para o tratamento de sinusite, pois fornece informações detalhadas sobre a extensão da doença e possíveis variações anatômicas.


 

Principais termos e achados presentes nas tomografias de quem tem sinusite.


Opacificação dos seios paranasais: A opacificação é um termo usado para descrever a presença de material denso nos seios paranasais, que pode ser líquido, muco ou tecido inflamado. Na tomografia, a opacificação aparece como áreas escuras ou cinzentas, indicando a presença de inflamação e/ou infecção nos seios.


Espessamento da mucosa:A mucosa é o revestimento interno dos seios paranasais. Quando inflamada, a mucosa pode engrossar e ocupar mais espaço dentro dos seios. Na tomografia, o espessamento da mucosa aparece como áreas de densidade aumentada, geralmente acompanhadas de opacificação.


Polipose nasal: Os pólipos nasais são crescimentos benignos que se formam na mucosa dos seios paranasais e podem causar obstrução das vias aéreas. Na tomografia, os pólipos aparecem como estruturas arredondadas e de densidade semelhante à da mucosa, geralmente localizadas no interior dos seios ou nas passagens nasais.


Desvio de septo nasal: O septo nasal é a parede que divide as duas cavidades nasais. Um desvio de septo ocorre quando essa parede está torta ou deslocada, o que pode contribuir para a sinusite ao dificultar a drenagem dos seios paranasais. Na tomografia, o desvio de septo aparece como uma curvatura ou deslocamento da linha média do septo.


Aeração dos seios paranasais: A aeração é a presença de ar nos seios paranasais, que é normal e necessária para o funcionamento adequado dessas cavidades. Na tomografia, a aeração aparece como áreas claras e bem definidas. A diminuição ou ausência de aeração pode indicar obstrução ou inflamação nos seios.


 

Conclusão

A tomografia computadorizada é uma ferramenta valiosa no diagnóstico e tratamento da sinusite, pois permite visualizar detalhadamente a anatomia dos seios paranasais e identificar possíveis causas da inflamação. Ao analisar uma tomografia de sinusite, os médicos procuram por sinais como opacificação, espessamento da mucosa, polipose nasal, desvio de septo e alterações na aeração dos seios. Com base nesses achados, o médico pode determinar a gravidade da sinusite e planejar o tratamento mais adequado para cada paciente.

 

Dra. Danielly Andrade




Comentários


bottom of page