top of page

Sinusite pode virar pneumonia? Entenda a relação entre as duas condições

Sinusite pode virar pneumonia? Entenda a relação entre as duas condições

Sinusite pode evoluir para pneumonia em alguns casos, quando a infecção se espalha dos seios paranasais para os pulmões. Fatores como uso inadequado de antibióticos, sistema imunológico debilitado e tabagismo podem aumentar o risco. Tratar adequadamente a sinusite e fortalecer o sistema imunológico são medidas importantes para prevenir essa evolução.


O que é sinusite e pneumonia?

A sinusite é uma inflamação dos seios paranasais, geralmente causada por uma infecção viral, bacteriana ou fúngica. Os sintomas mais comuns incluem congestão nasal, dor de cabeça, febre e dor facial.


A pneumonia, por sua vez, é uma infecção nos pulmões que pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos. Os sintomas incluem febre, tosse com muco, dor no peito e dificuldade para respirar.


Relação entre sinusite e pneumonia

A sinusite pode potencialmente levar à pneumonia por meio de vários mecanismos.


Os seios paranasais podem servir como reservatório de bactérias, que podem então se espalhar pelo trato respiratório inferior, particularmente no caso de depuração mucociliar prejudicada ou interrupção da drenagem normal dos seios paranasais.[1]


Essa migração bacteriana pode levar à colonização e à infecção subsequente dos alvéolos, sobrecarregando as defesas do hospedeiro quando a virulência dos microrganismos ou o tamanho do inóculo for suficiente.[2]


Em pacientes com fibrose cística, por exemplo, a Pseudomonas aeruginosa pode formar biofilmes nos seios da face, que são difíceis de erradicar e podem servir como fonte de infecção pulmonar.[3]


A rinossinusite crônica também foi associada a um risco maior de pneumonia, sugerindo que a inflamação e a infecção contínuas nos seios da face podem contribuir para a suscetibilidade a infecções do trato respiratório inferior.[4]


Além disso, a inflamação alérgica nos seios paranasais pode aumentar a infecção bacteriana, indicando que a rinite alérgica pode predispor os indivíduos à sinusite e, potencialmente, à pneumonia subsequente.[5]


A presença de patógenos específicos nos seios paranasais, como Staphylococcus aureus, Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii, tem sido associada ao desenvolvimento de pneumonia em pacientes críticos, destacando o papel dessas bactérias na patogênese da pneumonia nosocomial.[6]


O tratamento da sinusite para prevenir a pneumonia inclui antibioticoterapia adequada, drenagem do seio e tratamento das condições subjacentes que podem predispor à sinusite e suas complicações.


Quais são os fatores anatômicos e fisiológicos que podem facilitar a propagação da infecção dos seios da face para os pulmões?


Os fatores anatômicos e fisiológicos que facilitam a propagação da infecção dos seios da face para os pulmões incluem a natureza contígua do epitélio respiratório, que permite que os patógenos migrem ou sejam potencialmente aspirados do trato respiratório superior para o inferior.


Os seios da face e os pulmões estão conectados através da nasofaringe e orofaringe, e os patógenos podem ser transmitidos por essas vias.


O ato de roncar, por exemplo, pode gerar microgotículas que podem transportar patógenos do trato respiratório superior para o inferior.[1]


Sistema de depuração mucociliar, que normalmente serve para remover patógenos do trato respiratório, pode ser prejudicado em condições como a fibrose cística, levando à estagnação das secreções e fornecendo um meio para o crescimento bacteriano e potencial disseminação.[2,3,4] A presença de biofilmes nos seios da face, como observado com Pseudomonas aeruginosa em pacientes com fibrose cística, pode servir como reservatório para infecção crônica e facilitar a disseminação das vias aéreas inferiores.[2,3,4]


Sinusite nosocomial, particularmente em pacientes intubados e ventilados mecanicamente. pacientes, pode ser uma fonte de patógenos que podem levar à pneumonia, com os seios da face atuando como reservatório bacteriano.[5]


Fatores de risco

Sim, existem fatores de risco específicos que aumentam a suscetibilidade ao desenvolvimento de pneumonia após sinusite. Esses incluem:


1. Ventilação mecânica e intubação endotraqueal, que estão associadas à sinusite nosocomial e pneumonia subsequente, particularmente com patógenos como Pseudomonas aeruginosa, Acinetobacter baumannii e Staphylococcus aureus.[1]


2. Rinossinusite crônica, que demonstrou aumentar o risco de pneumonia, com maior incidência observada na faixa etária mais jovem (<60 anos) e em mulheres.[2]


3. Infecção por HIV, que foi identificada como um fator de risco para pneumonia bacteriana, sendo sinusite prévia no período de um mês antes da admissão um fator de risco específico.[3]


4. Otite média aguda recorrente, que pode indicar uma disfunção imunológica subjacente e está associada a uma frequência aumentada de infecções respiratórias, incluindo pneumonia.[4]


Esses fatores de risco destacam a importância de reconhecer indivíduos com maior risco de pneumonia após sinusite e podem orientar um monitoramento mais agressivo e estratégias preventivas nessas populações.


Prevenção e tratamento

Para prevenir a pneumonia após a sinusite, é importante controlá-la de forma eficaz.


Pacientes com sinusite aguda recorrente ou sinusite crônica, é importante controlar as condições subjacentes que podem contribuir para a sinusite, como a rinite alérgica, que pode ser tratada com sprays nasais de esteróides e anti-histamínicos.[1]


Pacientes com sinusite crônica, especialmente aqueles com anomalias anatômicas ou aqueles que são refratários à terapia médica, a cirurgia endoscópica dos seios da face pode ser considerada para melhorar a drenagem sinusal e reduzir a carga bacteriana.[6]


Pacientes com sinusite bacteriana aguda não complicada, Isto inclui terapia antibiótica apropriada,, a amoxicilina é apropriada se a prevalência de patógenos produtores de beta-lactamases for inferior a 20%. Se não houver resposta à amoxicilina ou se houver uma alta prevalência de bactérias produtoras de betalactamase, antimicrobianos alternativos, como amoxicilina-clavulanato ou cefalosporinas orais de segunda geração, como cefuroxima axetil, podem ser usados.[2]


Além disso, foi demonstrado que a vacinação contra S. pneumoniae com vacina pneumocócica conjugada (PCV) reduz o risco de pneumonia. A Infectious Diseases Society of America (IDSA) e a American Thoracic Society (ATS) recomendam a vacinação pneumocócica para prevenção de pneumonia em populações específicas, incluindo aquelas com condições médicas crônicas e fumantes.[1]


Para pacientes com fibrose cística, recomenda-se uma estratégia de tratamento para evitar a propagação de bactérias nasossinusais nas vias aéreas inferiores, que inclui cirurgia endoscópica funcional dos seios da face com irrigação nasal pós-operatória e antibióticos.[4]


Em pacientes sob ventilação mecânica, recomenda-se a remoção dos tubos nasais, descongestionantes tópicos e drenagem e lavagem do seio maxilar para tratar a sinusite nosocomial e reduzir o risco de pneumonia subsequente.[5]


Conclusão:

Embora não seja comum, a sinusite pode evoluir para pneumonia se não for tratada adequadamente ou se o sistema imunológico estiver comprometido. É fundamental procurar orientação médica e seguir as recomendações de tratamento para prevenir complicações. Além disso, manter hábitos saudáveis e fortalecer o sistema imunológico são estratégias importantes para evitar essa evolução.

 

Quem é a Dra. Danielly Andrade?


Sou médica otorrinolaringologista em Belo Horizonte, formada pela UFMG em 2008, título de Especialista em Otorrinolaringologia pela ABORL / AMB.

Sou especialista em rinologia funcional e estética, área da otorrinolaringologia que estuda e trata os distúrbios do nariz e dos seios da face, como obstrução nasal, desvio de septo, rinite, alergias, sinusite, alterações do olfato e sangramentos nasais.


​Atuo como médica do corpo clínico-cirúrgico nos hospitais Mater Dei, Sou preceptora de residência médica em otorrinolaringologia atuando na área de Rinologia.

Comments


bottom of page