top of page

Nariz entupido à noite e a qualidade de sono

Início > Blog > Nariz entupido à noite e a qualidade de sono

nariz entupido a noite

A obstrução nasal, ou nariz entupido afeta significativamente a qualidade do sono. Em um estudo, pacientes com obstrução nasal sintomática submetidos a cirurgia das vias aéreas nasais mostraram uma diminuição nos escores médios da Avaliação dos Sintomas de Obstrução Nasal (NOSE) de 68,2 no pré-operatório para 17,5 no pós-operatório, uma melhoria de 4 vezes nos sintomas e os escores médios do Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI) melhoraram de 7,8 para 4,6, dobrou a qualidade de sono.

Avaliação de Sintomas de Obstrução Nasal e Qualidade do Sono: Escala NOSE e Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh


A Escala de Avaliação dos Sintomas de Obstrução Nasal (NOSE) é uma medida relatada pelo paciente, utilizada para avaliar a severidade dos sintomas de obstrução nasal. Ela consiste em cinco perguntas que avaliam problemas como dificuldade de respiração, congestão, obstrução, problemas para dormir e questões durante o esforço, com cada item avaliado de 0 (sem problema) a 4 (problema grave). A pontuação total é multiplicada por 5 para uma pontuação final de 0 a 100, categorizando a obstrução como leve (0-25), moderada (26-50) ou grave (>50). A escala NOSE auxilia no diagnóstico da severidade da obstrução nasal e na avaliação da eficácia do tratamento.


O Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI) é um questionário autoadministrado que avalia a qualidade do sono ao longo de um mês por meio de 19 itens agrupados em sete componentes, incluindo qualidade do sono, latência, duração, eficiência, perturbações, uso de medicamentos e disfunção diurna. Cada componente é pontuado de 0 a 3, e a soma desses componentes fornece uma pontuação global de 0 a 21, onde pontuações acima de 5 indicam perturbações significativas do sono. Amplamente utilizado em pesquisas, o PSQI rastreia mudanças no sono e ajuda a identificar problemas de sono que podem necessitar de intervenção adicional.


Relação Entre a Qualidade do Sono e o Desempenho Cognitivo: Evidências com o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh


A correlação entre o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI) e o desempenho cognitivo é evidenciada por vários estudos que encontraram associações significativas entre a má qualidade do sono e diversos domínios cognitivos. Especificamente, a atenção e a velocidade de processamento foram os domínios cognitivos associados transversalmente às pontuações do PSQI, com uma melhor qualidade de sono auto-relatada correlacionando-se com um desempenho mais rápido no Teste de Traços - Parte A.[1]


Além disso, as pontuações totais do PSQI foram significativamente associadas a medidas objetivas de atenção sustentada e perda de memória subjetiva.[2]


Ademais, a qualidade subjetiva do sono, medida pelo PSQI, demonstrou ter um impacto direto nas habilidades de aprendizagem e memória e afeta indiretamente essas habilidades através de sintomas psicóticos em pacientes com esquizofrenia que não fazem uso de medicamentos.[3]


Esses achados sugerem que a má qualidade do sono, indicada por pontuações altas no PSQI, está relacionada a déficits no desempenho cognitivo, particularmente nos domínios de atenção, memória e aprendizagem.


Melhorias na Qualidade do Sono Após Cirurgias de Obstrução Nasal: Evidências com o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh


Cirurgias de obstrução nasal, como septoplastia, turbinectomia e cirurgia endoscópica dos seios nasais, demonstraram melhorar a qualidade do sono conforme medido pelo Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI). Em um estudo prospectivo de resultados, pacientes com obstrução nasal sintomática submetidos à cirurgia das vias aéreas nasais mostraram melhorias significativas nos escores do PSQI, de uma média de 7,8 pré-operatória para 4,6 pós-operatória no acompanhamento de três meses [1].


Da mesma forma, uma revisão sistemática e meta-análise que avaliou a mudança na qualidade do sono após cirurgia endoscópica dos seios nasais para rinossinusite crônica relatou uma diferença média padronizada para o PSQI de -0,80, indicando melhorias moderadas a grandes na qualidade do sono [2].


Outro estudo avaliando os efeitos da cirurgia nasal sobre sintomas psicológicos e parâmetros polissonográficos em pacientes com apneia obstrutiva do sono e obstrução nasal encontrou reduções notáveis nos escores de latência do sono e nos escores de disfunção diurna no PSQI [3].


Esses estudos coletivamente sugerem que as cirurgias de obstrução nasal podem levar a melhorias significativas na qualidade do sono subjetiva, refletidas por escores mais baixos no PSQI pós-operatório.


 

Quem é a Dra. Danielly Andrade?


Sou médica otorrinolaringologista em Belo Horizonte e Nova Lima, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 2008, título de Especialista em Otorrinolaringologia pela ABORL / AMB.

Sou especialista em rinologia funcional e estética, área da otorrinolaringologia que estuda e trata os distúrbios do nariz e dos seios da face, como obstrução nasal e desvio de septo.


Especialista em cirurgias estéticas e funcionais do nariz.

​​

​Atuo como médica do corpo clínico-cirúrgico nos hospitais Mater Dei, Socor e Orizonti. Sou preceptora do serviço de especialização em otorrinolaringologia do Hospital Socor atuando na área de Rinologia.

"Meu foco é te ajudar a respirar bem pelo nariz e melhorar sua auto-estima, qualidade de vida e de sono."

Commenti


bottom of page