• dradaniellyandrade

Mitos comuns sobre rinite alérgica e asma

Atualizado: Nov 18

Início > Blog > Mitos comuns sobre rinite alérgica e asma


mitos rinite alérgica

Alergias e asma são muito comuns no Brasil. Cerca de uma em cada cinco pessoas desenvolverá alergias em algum momento da vida e cerca de uma em cada dez desenvolverá asma. Longe de ser um incômodo trivial, as alergias têm um impacto significativo na qualidade de vida e estão associadas a outras condições médicas. As reações alérgicas graves (anafilaxia) são potencialmente fatais. Infelizmente, muitas pessoas confundem mito com realidade na maneira como veem e tratam as alergias e a asma.


Mito 1: as alergias são incomuns


Realidade: O rápido e contínuo aumento das doenças alérgicas nas últimas décadas é um sério problema de saúde pública no Brasil. As estatísticas atuais indicam que:

  • Uma em cada cinco pessoas desenvolverá alergias em algum momento da vida.

  • Um em cada dez bebês terá alergia alimentar.

  • Uma em cada dez crianças desenvolverá eczema.

  • As internações hospitalares por anafilaxia aumentaram cinco vezes nos últimos 20 anos.

Mito 2: as alergias são inofensivas


Realidade: as alergias são um problema sério no Brasil e não devem ser ignoradas. As alergias não tratadas têm um impacto significativo na qualidade de vida.


A rinite alérgica resulta em má qualidade do sono, fadiga e sonolência diurna. Os adultos têm mais dificuldade para pensar e funcionar no trabalho, sofrem com maior absenteísmo e mais lesões relacionadas ao trabalho. Eles são mais irritáveis ​​e temperamentais do que as pessoas mais saudáveis ​​e têm mais dificuldade para tomar decisões importantes. Crianças em idade escolar com rinite alérgica podem se sair mal nos exames e muitas vezes não conseguem se lembrar de informações ensinadas durante as aulas. As alergias não tratadas também podem piorar outros problemas respiratórios crônicos, como asma, sinusite e doenças de pele, como eczema e urticária (urticária).


Algumas alergias a alimentos, drogas e picadas de insetos podem levar a uma reação potencialmente fatal, chamada anafilaxia - uma reação alérgica sistêmica que pode ser fatal.


Mito 3: Fumar não provoca asma


Realidade: bebês nascidos de mães fumantes têm maior chance de desenvolver asma do que filhos de mães não fumantes. Fumar também é um gatilho conhecido de ataques de asma e não deve ser ignorado. Se você precisa fumar, faça-o fora e longe de seus filhos.


Mito 4: plantas com flores causam rinite alérgica


Realidade: a rinite alérgica sazonal, é causada pela alergia ao pólen. A alergia ao pólen tende a ser devida ao pólen transmitido pelo ar de gramíneas polinizadas pelo vento, ervas daninhas e espécies de árvores.


Em contraste, o pólen das plantas com flores é grande e pegajoso, não vai muito longe e requer pássaros e abelhas para a polinização. Portanto, quando as pessoas reclamam que flores perfumadas as incomodam, geralmente é devido à irritação química do perfume que as faz espirrar, e não ao pólen.


Mito 5: Mudar para outra região pode curar rinite alérgica


Realidade: a rinite alérgica pode ser desencadeada pelo pólen expelido pelo vento, principalmente na primavera e no verão, ou por outros alérgenos, como ácaros da poeira doméstica, animais e esporos de mofo durante todo o ano. Afastar-se da fonte de alérgeno (como interestadual ou de áreas do interior para a costa) pode aliviar as alergias apenas temporariamente.


Pessoas alérgicas também são propensas a desenvolver novas alergias e, muitas vezes, os sintomas reaparecem dentro de alguns anos com a exposição a novas plantas ou outras fontes de alérgenos, como bolores ou ácaros do pó doméstico.


Mito 6: a exposição contínua a animais irá dessensibilizar você a eles


Realidade: se você é alérgico a um animal, a exposição contínua não diminuirá sua alergia.


Na verdade, uma em cada três pessoas que já são alérgicas e expostas a animais domésticos também se tornam alérgicas a eles com o tempo.


As proteínas encontradas na pele de um animal de estimação (flocos de pele, cabelo, pelo, lã, penas, saliva e urina) podem causar uma reação alérgica ou agravar a asma em algumas pessoas. Pelos, peles ou lã de animais de estimação também podem coletar pólen e outros alérgenos externos.


Manter animais de estimação dentro de casa também está associado à asma e à necessidade de mais medicamentos. Se você é alérgico a animais, a sensibilidade geralmente piora com a exposição contínua. Para aliviar os sintomas

  • Minimize a exposição a animais domésticos removendo-os de dentro de casa.

  • Mantenha os animais de estimação fora do quarto.

  • Lave o animal regularmente para reduzir a quantidade de alérgeno que eliminam.


Mito 7: Você não pode desenvolver uma alergia a animais se não tiver animais de estimação


Realidade: Os alérgenos de animais, particularmente alérgenos de gatos e cavalos, podem ser carregados nas roupas. Isso pode sensibilizar outras pessoas que não têm animais de estimação e provocar sintomas em indivíduos sensíveis.


Mito 8: Alguns animais são melhores para pessoas com asma e alergias


Realidade: Os alérgenos em gatos provêm principalmente de suas glândulas sebáceas na pele e a principal fonte de alérgenos em cães é sua saliva. Mesmo que algumas raças não eliminem pelos, o alérgeno ainda pode aderir às partículas de poeira da casa (como paredes, tapetes, roupas de cama, roupas e cortinas) e não se decompõe facilmente com o tempo. O alérgeno pode ficar continuamente suspenso no ar, mesmo que o animal tenha sido retirado de casa ou não esteja no quarto.


Embora a quantidade de alérgeno eliminado por um animal individual possa variar com uma série de fatores (sexo, sem sexo ou não, cabelo curto ou longo, pêlo ou lã), o alérgeno é o mesmo entre as espécies.


Também foram relatadas alergias a outros animais, como porquinhos-da-índia, cavalos e ratos. Até iguanas podem causar alergias. Não existem animais hipoalergênicos.


Mito 9: Eliminar o glúten e o leite ajuda na asma e na rinite alérgica


Realidade: a dieta tem um papel menor no controle da asma ou rinite alérgica. Eliminar o glúten e o leite ajudará na sua alergia, apenas se você for confirmado como alérgico a glúten e leite.


Embora algumas crianças com alergia alimentar desenvolvam eczema, asma ou rinite alérgica, interromper o consumo de glúten ou laticínios como rotina pode afetar negativamente a nutrição (principalmente em crianças) e direcionar os esforços para áreas desnecessárias.


As reações alérgicas alimentares são geralmente de início rápido, graves e óbvias. Os sintomas geralmente incluem erupções cutâneas, inchaço da garganta, vômitos e / ou às vezes eczema atópico. Nozes, peixes, crustáceos, leite e ovos são as alergias alimentares mais comuns em crianças. Os padeiros podem desenvolver asma com a inalação da farinha de trigo.


Estudos científicos não mostram evidências de que o leite aumenta a produção de muco ou piora a asma. Mais comumente, os pacientes irão reagir a bebidas frias (como leite) com respiração ofegante devido à inalação de ar seco e frio durante a ingestão.


Mito 10: Corantes e conservantes são uma causa comum de asma


Realidade: conservantes como o metabissulfito de sódio (220, 221 e 222) no vinho, frutas secas, vinagre, uvas e algumas saladas de frutas podem piorar a asma, mas não a causam. A inalação de pequenas quantidades de dióxido de enxofre pode causar uma contração reflexa dos brônquios.


O glutamato monossódico (621) tem uma má reputação por desencadear asma em algumas pessoas, mas estudos científicos mostraram que este é um problema relativamente raro. Os benzoatos, às vezes podem causar reações.


O teste de alergia não é confiável para confirmar a sensibilidade a essas substâncias.


Mito 11: testes e tratamentos alternativos são tão eficazes quanto os testes e medicamentos convencionais


Realidade: Existem vários testes não ortodoxos para alergia, como teste de alimentos citotóxicos, teste de Vega, cinesiologia, iridologia, teste de pulso, teste de Alcat e teste cutâneo intradérmico de Rinkel. Eles não têm base científica, não são confiáveis ​​e não têm função na avaliação da alergia.


Por outro lado, os testes cutâneos e os testes de IgE específicos para alérgenos no sangue são testes de alergia confiáveis ​​e validados cientificamente. Juntamente com um histórico médico e exames, esses testes podem ajudar seu médico a definir a causa de suas alergias.


Muitos brasileiros usam suplementos dietéticos, medicamentos complementares e alternativos para tratar ou prevenir várias doenças. Às vezes, eles os usam em conjunto com medicamentos prescritos pelo médico. Independentemente da sua decisão a este respeito, é importante informar o seu médico. Isso ocorre porque podem ocorrer efeitos colaterais e interações com medicamentos. É importante perceber que os medicamentos alternativos não foram submetidos ao estudo rigoroso de eficácia e efeitos colaterais pelos quais os medicamentos convencionais são submetidos.


Mais informações sobre testes alérgicos:


Mito 12: Rinite alérgica e asma podem ser curadas


Realidade: Embora existam tratamentos eficazes, atualmente não há cura para asma ou rinite alérgica. Com diagnóstico e tratamento adequados, a maioria das pessoas com asma e alergias terá uma vida normal e ativa, com poucos distúrbios em sua qualidade de vida.


A coisa mais próxima de uma cura para a alergia é a imunoterapia com alérgenos (dessensibilização), que é eficaz no tratamento de algumas alergias, como a rinite alérgica (febre dos fenos), asma e alergia a picadas de insetos.


Mito 13: Bombinha de asma e rinite alérgica são perigosos

Realidade: medicamentos inalados, incluindo corticosteróides (tratamento preventivo) são comumente usados ​​para tratar a asma. Eles são muito seguros e eficazes, desde que sejam usados ​​em uma dose apropriada sob supervisão médica.


Medicamentos semelhantes (sprays de corticosteroide intranasal) são frequentemente usados ​​para tratar a rinite alérgica moderada a grave. Não há evidência de que o uso de longo prazo desses medicamentos (na dosagem apropriada e com supervisão médica) seja prejudicial.


Mito 14: Muitas crianças superam a asma e as alergias


Realidade: as alergias podem durar muitos anos. Por exemplo, sabe-se que:

  • 85% das crianças com dermatite atópica (eczema) melhoram na adolescência, mas geralmente apresentam pele seca e irritável e problemas com sabão e alguns cosméticos para o resto da vida.

  • 80% das crianças com diagnóstico de rinite alérgica ainda terão problemas dez anos depois.

  • 40% dos jovens adultos com diagnóstico de rinite alérgica ainda terão sintomas 20 anos depois.

A asma também pode persistir. Algumas crianças apresentam sintomas de asma que melhoram ou desaparecem durante a adolescência, enquanto outras pioram. Pessoas com asma grave ou persistente tendem a permanecer iguais aos adultos. Mesmo quando os sintomas desaparecem completamente, eles podem retornar mais tarde na vida, especialmente com infecções ou exercícios.


As reações alérgicas ao leite de vaca, soja ou ovo em bebês geralmente desaparecem no momento em que a criança entra no jardim de infância, mas outras (como amendoim, nozes ou frutos do mar) podem persistir por toda a vida.


Mito 15: Médicamentos para alérgia são perigosos e deixam você com sono


Realidade: anti-histamínicos não sonolentos estão prontamente disponíveis nas farmácias. Estes medicamentos raramente deixam as pessoas sonolentas e comprovou-se que são seguros ao dirigir. Como duram muito mais tempo no corpo, também são mais convenientes de tomar (normalmente uma vez ao dia).


Os anti-histamínicos sedativos mais antigos estão disponíveis há décadas. A única vantagem é que são baratos. Frequentemente, causam sonolência e interferem na capacidade das pessoas de dirigir ou operar máquinas com segurança. Seu impacto é ainda mais perigoso quando o álcool é consumido. Os adultos que usam anti-histamínicos sedativos costumam ter dificuldade em pensar com clareza, os pacientes idosos podem ficar confusos e as crianças costumam ficar sonolentas ou irritáveis ​​durante as aulas. Portanto, é importante verificar os rótulos dos medicamentos e consultar um farmacêutico ou médico antes de considerar o uso desses medicamentos.


Mito 16: Não há como se livrar dos ácaros do pó doméstico


Realidade: A maior concentração de ácaros do pó doméstico e suas partículas fecais alergênicas está nos quartos e nas camas acarpetados e nas casas onde existem animais domésticos, especialmente gatos.


Tábuas polidas ou outros revestimentos de piso duros, lavagem regular da roupa de cama e colchões e travesseiros revestidos com barreira reduzem substancialmente a exposição ao alérgeno dos ácaros da poeira.


Embora não vá erradicar os ácaros, aspirar uma vez por semana reduzirá o número de ácaros, principalmente se forem usados ​​filtros HEPA.


Mito 17: Casas úmidas são tão saudáveis ​​quanto casas secas


Realidade: Casas úmidas têm maior teor de mofo do que casas secas, e mofo dentro de casa é uma causa comum de rinite alérgica perene, sinusite, bronquite e asma.


Mais informações sobre rinite alérgica e doenças relacionadas:


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo