top of page

Classificação dos desvios de septo em graus

Classificação do Desvio de septo em grau

Um desvio de septo é uma condição onde o septo nasal — o osso e a cartilagem que divide a cavidade nasal do nariz ao meio — está significativamente descentrado ou torto, dificultando a respiração. 80% da população tem algum grau de desvio de septo.


Sistema de classificação de desvio de septo em graus


O desvio de septo pode ser classificado em graus 1, 2 e 3, baseados na relação do septo nasal com o corneto inferior ou em relação a parede lateral interna do nariz:


Classificação do desvio de septo em graus. Da esquerda para direita: desvio de septo grau 1, desvio de septo grau 2 e desvio de septo grau 3
Classificação em graus baseada na posição do septo em relação a parede lateral interna do nariz ou em relação ao corneto inferior

Método 1: Classificação de desvio de septo nasal com base na relação do septo nasal com a corneto inferior


  • Desvio de septo grau 1: o desvio não atingiu o corneto inferior

  • Desvio de septo grau 2: o desvio atingiu a corneto inferior

  • Desvio de septo grau 3: o desvio atingiu a parede lateral e comprimiu a corneto inferior


Método 2: Classificação de desvio de septo nasal com base na obstrução nasal usando a escala visual analógica


  • Desvio de septo grau 1: 0–33% de deflexão da linha média em direção à parede lateral

  • Desvio de septo grau 2: 34–66% de deflexão da linha média em direção à parede lateral

  • Desvio de septo grau 3: 67–100% de deflexão da linha média em direção à parede lateral


Sistemas de classificação do desvio de septo conforme o formato


De acordo com Guyuron et al. [1], o desvio do septo nasal pode ser dividido em seis categorias, cinco das quais podem influenciar o nariz externo. Um desvio ou esporão septal localizado não tem efeito na direção do nariz externo.


Inclinação septal simples


O tipo mais comum de desvio septal é a inclinação septal simples, que é descrita como um septo que não tem curva, mas é inclinado para um lado do nariz.

Paciente com desvio de inclinação septal no pré-operatório (A) e após endireitamento (B).
Paciente com desvio de inclinação septal no pré-operatório (A) e após endireitamento (B).

Paciente com desvio de inclinação septal no pré-operatório (A) e após endireitamento (B).
Paciente com desvio de inclinação septal no pré-operatório (A) e após endireitamento (B).

Desvio em forma de C


A segunda e terceira categoria de desvio septal é o desvio em forma de C. Ao contrário da inclinação septal simples, essa deformidade envolve a curvatura da cartilagem.


Desvio de septo em forma de C no pré-operatório (A, C) e após a correção (B, D).
Desvio de septo em forma de C no pré-operatório (A, C) e após a correção (B, D).

A diferença entre os 2 tipos é apenas a direção da curvatura.


Desvio de septo em forma de C

Desvio de septo em forma de C

Desvio de septo em forma de S


O quarto e quinto tipos de deformidades são os desvios de septo em forma de S, também conhecimento como septo nasal sinuoso, normalmente este tipo de desvio de septo gera hipertrofia dos cornetos compensatória. A mairia dos pacientes com grau 3 de desvio de septo apresentam o desvio de septo em S.


Paciente com desvio septal em forma de S no pré-operatório (A-C) e após a correção (D-F).
Paciente com desvio septal em forma de S no pré-operatório (A-C) e após a correção (D-F).

A diferença entre os 2 tipos é apenas a direção da curvatura.


septo nasal sinuoso: Desvio de septo em forma de S. Muito comum em pacientes com desvio de septo grau 3


septo nasal sinuoso: Desvio de septo em forma de S. Muito comum em pacientes com desvio de septo grau 3

Desvio de septo com esporão ósseo


O septo é composto em parte por cartilagem e em parte por osso. Às vezes, um pedaço extra de osso crescerá do septo e criará um esporão ósseo nasal. Muitas vezes além da obstrução nasal o esporão ósseo é a causa de dores de cabeça inexplicáveis


Desvio de septo com esporão ósseo
Desvio de septo com esporão ósseo

O que é o desvio de septo grau 3?


O desvio de septo é grau 3 é quando o septo toca a parede lateral interna do nariz ou o corneto inferior, quase sempre demanda cirurgia devido a gravidade dos efeitos obstrutivos causados.


Segundo Salihoglu et al., o desvio de septo grau 3 ocorre quando 67–100% de deflexão da linha média em direção à parede lateral. Vidigal et al. considera desvio de septo grau 3 quando o desvio atingiu a parede lateral e comprimiu a concha inferior.


Sistema de classificação de desvio de septo subjetivo


Alguns otorrinolaringologistas optam por uma classificação mais simples visual e subjetiva considerando o nível de obstrução nasal.


Classificação do desvio de septo de forma subjetiva baseado na obstrução causada

Como é Diagnosticado o Desvio de septo?


O médico examinará seu nariz com um espéculo nasal, um exame de fibronasolaringoscopia e provavelmente solicitará uma tomografia computadorizada para examinar com mais detalhas outras estruturas na face, como os cornetos nasais e os seios da face.


Para examinar o interior do nariz com mais detalhes no consultório, o otorrino usará uma luz forte e um instrumento projetado para abrir as narinas.


E também no consultório, realizará uma fibronasolaringoscopia. É comum pedir uma tomografia computadorizada como auxiliar no diagnóstico do desvio de septo.


Diagnóstico do grau do desvio de septo
Fibronasolaringoscopia
Diagnóstico do grau do desvio de septo utilizando tomografia
Desvio de Septo - Tomografia Computadorizada

Com base nesses exames, ele pode diagnosticar um desvio de septo e determinar a gravidade de sua condição, como a presença de outras alterações como uma perfuração septal (perfuração do septo nasal), hipertrofia de cornetos nasais e pólipos nasais.


Como saber se meu desvio de septo é grave?


A gravidade do desvio de septo está diretamente relacionada a gravidade dos sintomas, independente do método de classificação é importante consultar um médico otorrinolaringologista rinologista para um diagnóstico e tratamento corretos.


Quando é preciso operar desvio de septo?


A indicação de cirurgia ocorre quando os sintomas causados pelo desvio de septo não respondem ao tratamento com medicamentos, ou quando os sitomas causam outros transtornos e doenças ao paciente.

Referências

 

Dra. Danielly Andrade

Dra. Danielly Andrade, Médica otorrinolaringologista especialista em tratamento clínico e cirúrgico de desvio de septo em Belo Horizonte - MG

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page